Pular para o conteúdo

Você sabe como o SEO ajuda a desenvolver estratégias de marketing digital? O SEO (Search Engine Optimization) é um dos canais mais importantes dentro de uma estratégia de marketing digital, se não o mais importante, pois oferece visibilidade nos mecanismos de busca "gratuitos" (existem ferramentas para melhor análise e estudo) e, acima de tudo, é estável e contínuo ao longo do tempo, ou seja, tudo o que construímos em SEO é de médio ou longo prazo, não depende de aumentar ou diminuir o investimento.

SEO e Marketing digital devem andar juntos para o sucesso

Para deixar claro, SEO são as ações e métodos que realizamos para posicionar um site nos mecanismos de busca, sempre focados no rei: o Google. Ele dependa das variáveis ​​e requer conhecimento técnico e semântico para fazê-lo corretamente.

Existem diversas estratégias de marketing digital que podem ser utilizadas, inclusive, você pode indicar o seu site nos mecanismos de pesquisa através dos anúncios pagos, os famosos PPC (Pago Por Clique), no entanto, essa estratégia não é eficaz como o SEO. Uma vez que ela pode durar por um tempo, mas quanto maiores forem os cliques, maiores são os investimentos.

No caso do SEO, você usa as estratégias auxiliadas ao marketing digital para conquistar autoridade para o site, melhorar o posicionamento nos rankings de pesquisa e atender as exigências do mecanismo. Isso ajuda melhorando a visibilidade do seu site, dando credibilidade a sua marca, atingindo o público-alvo, investindo pouco e, ainda por cima, mantendo-se por um bom tempo no topo de pesquisas.

Quais os fatores influenciam o SEO no marketing Digital?

Se você não entende muito do assunto e gostaria de aprender mais, pode contratar uma consultoria SEO em uma agência digital, a qual apontará o que precisa ser mudado e quais as estratégias SEO implantar em sua página web.

Para familiarizar você com o assunto, vamos mostrar a seguir quais os fatores que influenciam o SEO:

Autoridade

É um dos elementos mais importantes para o mecanismo de pesquisa. Essa métrica baseia-se principalmente na quantidade de links recebidos que uma web recebe, mas também há fatores que se somam, como a idade do domínio ou os links que a web possui.

Poderíamos subdividir esse conceito em dois: autoridade de domínio e autoridade de página. O primeiro refere-se à web em geral e o segundo refere-se a cada uma das páginas da web.

SEO On Page

Aqui, levamos em conta, como o nome indica, a otimização na web. É de extrema importância, pois, principalmente, definimos palavra-chave e em quais nichos nos posicionar.

Portanto, quando falamos sobre SEO On Page, nos referimos a: posicionamento e aparência no mecanismo de pesquisa (título e meta descrição), palavras-chave para posição (palavra-chave de destino), estrutura e semântica de URLs, construção de links ou links internos (autoridade de transferência de uma página para outra), a velocidade de carregamento, a usabilidade e a estrutura da web (primeiro usuário) ou a otimização e o design responsivo, entre outros fatores.

“O posicionamento orgânico pode ser estruturado em: fatores relacionados à autoridade e relevância, SEO On Page e SEO Off Page”.

SEO Off Page

Quando a parte da página é cuidada e trabalhada, é hora de trabalhar a parte externa da web. Refere-se acima de tudo ao trabalho de obter links externos que apontam para nossa página. Mas cuidado: isso deve ser feito naturalmente.

Quando um site é relevante, ele faz com que outros sites o mencione e, dessa forma, o Google entende que o conteúdo do site é importante, dando-lhe autoridade e tornando seu posicionamento mais sólido.

Esses links devem ser obtidos naturalmente, pois se não puderem ser considerados Black Hat (más práticas) e o Google puder nos penalizar.

Como deve ser minha estratégia de SEO?

Defina o nicho de mercado em que você deseja atuar

Precisamos fugir do genérico e encontrar o nicho de mercado em que possamos realmente ter visibilidade e menos concorrência, para que seja mais rápido ao obter posicionamento. Também depende muito do setor, pois há alguns muito saturados e outros menos, por isso trata-se de encontrar a oportunidade.

A importância da escolha do domínio

Um bom nome de domínio pode nos ajudar a posicionar-se muito bem. Se encontrarmos uma palavra-chave diferenciadora que possamos incluir no nome de domínio, teremos muito ganho aos olhos do Google.

Pesquisa de palavra-chave

Este passo deve levar tempo e devemos fazê-lo com cuidado. Existem ferramentas que podem nos ajudar a realizar esse estudo de palavras-chave, como SEMRush, planejador de palavras-chave do Google ou Google Trends. Assim, obteremos dados sobre volume de pesquisa, concorrência e tendência ao longo do tempo, o que nos ajudará a definir qual palavra-chave atacar.

Além disso, o mais aconselhável é seguir uma estratégia de cauda longa, tentar posicionar palavras-chave mais específicas, pois elas terão menos volume de pesquisa, mas nos diferenciam e nos posicionam melhor.

Trabalhar o conteúdo

O mais importante é o conteúdo. O Google rastreia nosso site e o que valoriza é a qualidade e a quantidade de conteúdo na página. Além disso, está atento às atualizações e valoriza muito que o conteúdo seja atualizado e que novos sejam gerados. O blog é uma ótima ferramenta que pode nos ajudar, principalmente se o site for estático.

Você deve estar se perguntando o que é esse tal “código banco” que está sendo solicitado para terminar sua transação bancária. Não se perturbe à toa. Esse código é apenas um número para identificar para qual banco seu dinheiro está sendo enviado.

Qual a importância do código banco?

Existem dois tipos de códigos utilizados para as transações de dinheiro: o código COMPE (Sistema de Compensação de Cheques e Outros Papéis) e o código ISPB (Identificador de Sistema de Pagamentos Brasileiro). 

Na realidade, os dois têm a mesma função, que é fazer a compensação bancária e identificar os bancos no sistema de transferência. Ou seja, o código banco é uma forma de diferenciar cada um dos bancos dos demais ao realizar uma transação TED ou DOC.

Pode-se usar tanto um quanto o outro, não sendo possível (e nem necessário) usar os dois ao mesmo tempo, mas como nem todos os bancos têm código COMPE, em alguns raros casos são necessários utilizar o código ISPB. A diferença entre os dois é a quantidade de números do código: enquanto o COMPE possui 3 dígitos, o ISPB se utiliza de 8.

Quando devo usar o código banco?

Para realizar uma transferência TED ou DOC é preciso que o código do banco seja informado, junto com outras informações importantes como o número da conta e da agência do destinatário, o nome do beneficiário da conta e o CPF ou CNPJ.

Esse código só é solicitado quando é preciso fazer uma transação entre diferentes bancos como, por exemplo, uma transferência do Banco do Brasil para uma conta do Banco Bradesco. Nesse caso, o código que deverá ser informado é o do Bradesco, já que é a conta destino.

E se eu não souber o código banco?

Com uma simples busca na internet é possível achar o código do banco que precisa para realizar sua transação bancária.

Confira alguns dos principais código banco COMPE brasileiros:

  • Código do Caixa Econômica Federal: 104;
  • Código do Banco do Brasil: 001
  • Código do Bradesco: 237
  • Código do Santander: 033
  • Código do Itaú Unibanco: 341
  • Código do Safra: 422
  • Código do Neon: 735

Após finalizar a transação, o código banco garante que o dinheiro transferido chegue até a conta destino informada. E se, caso alguma informação tenha sido preenchida errada, o dinheiro é devolvido para a conta do remetente. Por isso, faça esta parte com bastante cuidado.

Quando qualquer pessoa faz uma viagem internacional, o principal aspecto que a ser pesquisado é o valor do câmbio. Isso porque existem diferentes taxas de câmbio, e isso muda de acordo com a moeda local do país no qual o indivíduo vai conhecer.

Nesse sentido, se você for fazer uma viagem internacional, não deixe de avaliar qual é a moeda do país e também o seu valor a fim de fazer a medição da taxa de câmbio. Desse modo é possível fazer a conversão da forma correta, e mensurar de forma mais precisa o valor da moeda e o quanto irá gastar na viagem.

Isso é essencial para fazer uma viagem internacional mais em conta e com valores mais acessíveis, afinal nada melhor do que colocar todos os gastos no papel e descobrir o real valor das despesas de uma viagem.

Para te ajudar, no artigo de hoje separamos algumas informações sobre a medição da taxa de câmbio. Então, confira e saiba mais!

Por que medir a taxa de câmbio?

É necessário pedir a taxa de câmbio para ter uma ideia do valor gasto durante a viagem. Ao final dela é possível mensurar as despesas e os custos que teve ao longo dos passeios e dos divertimentos em atrações turísticas. Assim é possível colocar na caderneta tudo o que foi gasto.

Afinal, como é possível medir a taxa de câmbio?

Para fazer a mensuração da taxa de câmbio é necessário definir quanto vale o real em relação à moeda do país no qual você irá viajar. Por exemplo, nos últimos tempos, 4,00 reais equivaliam a 1,00 dólar.

Ou seja, a cada 1,00 dólar gasto, você estaria gastando 4,00 reais. Essa mensuração é muito importante, portanto, ao fazer compras no exterior faça a conversão da moeda!

Você deseja fazer uma viagem internacional e obter um excelente cartão de crédito? Existem diversos cartões internacionais no mercado que podem te proporcionar tudo o que precisa e atender a todas as suas necessidades.

Você deseja saber quais são esses cartões de crédito? Para descobrir, confira a nossa lista a seguir, pois separamos os melhores cartões de crédito internacionais do mercado!

Cartão de crédito: renda de até R$ 1.500,00

Se você tem uma renda de até R$ 1.500,00, estes são os melhores cartões de crédito internacionais:

  • Ourocard internacional: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade de R$ 234,00 (visa) ou R$ 252 (mastercard) e com renda mínima de R$ 800,00;
  • Itaucard internacional: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade de R$ 202 (visa) ou R$ 183 (mastercard) e com renda mínima de R$ 800,00;
  • Santander Flex internacional: com bandeira mastercard; com anuidade de R$ 243,00 e com renda mínima de R$ 937,00;
  • Bradesco internacional: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade de R$ 260,00 (visa) ou R$ 270,00 (mastercard) e com renda mínima de R$ 998,00;
  • Caixa internacional: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade de R$ 207,00 e com renda mínima de R$ 1.000,00.

Cartão de crédito: acima de até R$ 1.500,00

Se você tem uma renda acima de R$ 1.500,00, estes são os melhores cartões de crédito internacionais:

  • Cartão de crédito Santander 123 gold: com bandeira mastercard; com anuidade de R$ 396,00 e com renda mínima de R$ 4.000,00;
  • Ourocard gold: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade de R$ 354,00 (visa) ou R$ 372,00 e com renda mínima de R$ 2.000,00;
  • Itaucard 2.0: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade grátis se gastar um valor acima de R$ 100,00 todo mês e com renda mínima de R$ 2.000,00;
  • Bradesco gold: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade de R$ 354,00 (visa) ou de R$ 369,00 e com renda mínima de R$ 2.000,00;
  • Caixa gold: com bandeira visa ou mastercard; com anuidade de R$ 321,00 e com renda mínima de R$ 1.500,00.

Escolha o cartão de crédito que mais se adequa às suas necessidades e faça a solicitação!

Você já ouviu falar em empréstimo pessoal? Esse é um excelente tipo de empréstimo feito para pessoa física que possui baixas taxas de juros, facilidade de solicitação, rápida liberação de crédito e diversas outras vantagens. Por isso, muitas pessoas atualmente têm optado por solicitar o empréstimo pessoal.

Mas, você deseja saber o que é empréstimo pessoal e quais são os seus benefícios? Para saber mais, confira a nossa matéria de hoje!

Empréstimo pessoal: rápida liberação de crédito

Poucas pessoas sabem, mas o empréstimo pessoal possui rápida liberação de crédito. Isso porque rapidamente é possível conseguir receber o dinheiro após a solicitação do empréstimo. Logo após a aprovação, com alguns dias já é possível receber o capital solicitado na sua conta.

Empréstimo pessoal: facilidade de obtenção

Facilmente é possível conseguir o empréstimo pessoal. Isso porque ele pode ser liberado até mesmo para pessoas que possuem o nome sujo, ou melhor, para negativados.

Portanto, as financeiras podem disponibilizam crédito pessoal – diferentemente dos bancos – para pessoas que não possuem crédito no mercado, mas que precisam de um grande capital para conseguir realizar os seus sonhos.

Empréstimo pessoal: possui mais vantagens que o cheque especial

Muitas pessoas optam pelo cheque especial porque esse é um método fácil e rápido para conseguir obter um bom capital. Mas com o advento do empréstimo pessoal, isso não é mais preciso. Afinal esse tipo de empréstimo é muito mais vantajoso: possui baixa taxa de juros, facilidade de obtenção e ainda por cima tem rápida liberação de crédito.

Então, está esperando o que para obter todas essas vantagens proporcionadas pelo empréstimo pessoal? Solicite agora mesmo o dinheiro que deseja, disponibilize os seus dados pessoais e obtenha todos os benefícios!

Assim, sem dúvidas, você fará um bom negócio e conseguirá alcançar todos os seus sonhos profissionais!

WhatsApp chat